Tricologista: quem é esse importante especialista?

Tricologista: quem é esse importante especialista?

Seja para a prevenção ou para o tratamento de doenças, a nossa saúde requer cuidados periódicos. E, quando não damos a devida atenção aos sinais que o corpo emite, alguns problemas podem surgir, sendo que, quanto mais tarde cuidarmos deles, mais difícil ou demorado pode ser o seu tratamento.

Portanto, uma das melhores formas de evitar essa situação é contar com a ajuda de um profissional especializado. No entanto, o fato é que muitas pessoas não sabem qual é o médico mais indicado para solucionar o seu problema.

Pensando nisso, criamos este artigo que será dedicado ao profissional especialista em cabelos: o tricologista.

Você tem curiosidade em saber como funciona a fibra do seu cabelo e do couro cabeludo? Sabia que a tricologia não só é capaz de combater problemas capilares, como também de preveni-los? Então, entenda um  pouco mais sobre essa profissão e como ela pode ajudá-lo(a) a manter a saúde dos fios. Acompanhe o texto.

Tricologia: um ramo da Dermatologia

Antes de tudo, você precisa saber que estamos falando sobre Medicina. Surgida no início do século XX, na Inglaterra, a Tricologia une ciência e estética para atender pessoas com problemas capilares. Isto porque, à parte as lendas, os mitos e as muitas “dicas” de conhecimento popular sobre queda e dano dos fios, existem explicações médicas e procedimentos específicos para cada problema.

Por exemplo, muito se fala a respeito de como evitar a calvície. Numa das nossas recentes publicações (“Você sabe como evitar a calvície? ”), mencionamos a importância de que a causa da queda acentuada dos cabelos seja diagnosticada por um profissional especializado na área. Além de avaliar esse diagnóstico, ele sabe indicar o tratamento mais adequado para cada caso.

Mas quem, exatamente, é esse especialista com tal conhecimento apropriado? O que ele estuda? Qual o seu principal campo de atuação e que diferencial ele apresenta em relação aos demais dermatologistas que não têm essa mesma especialização?

Resumidamente, a Dermatologia é um ramo da Medicina que estuda a pele, a sua estrutura, funções e doenças. E, do mesmo modo como outras áreas da Medicina, a Dermatologia também abriu espaço para outras ramificações, entre as quais está a Tricologia – a ciência que se encarrega do estudo dos pelos ou dos cabelos.

Para melhor exemplificar, podemos traçar o seguinte paralelo: a Tricologia é uma subdivisão da Dermatologia, que é, como se sabe, uma divisão da Medicina, bem como a Diabetologia é uma subdivisão da Endocrinologia, que é uma divisão da Medicina. Ou seja: todo endocrinologista detém conhecimentos médicos para tratar um paciente com diabetes; no entanto, um diabetólogo possui conhecimentos ainda mais específicos em relação a essa doença e às suas respectivas possibilidades de tratamento.

O dermatologista, por sua vez, é um profissional capacitado para tratar todos os problemas relacionados à pele, sendo que o couro cabeludo também é, por assim dizer, um tipo de pele que reveste o crânio, protegendo-o de traumatismos e de radiações solares. Portanto, todo dermatologista pode, por exemplo, tratar a calvície, considerando-se que ele possui conhecimentos gerais acerca das suas causas e possíveis tratamentos.

Além disso, tal médico costuma ser consultado pelos seus pacientes a fim de diagnosticar qual o seu tipo de cabelo (fino, ressecado), prescrever a utilização de determinados produtos para amenizar e/ou sanar problemas do couro cabeludo, ou no propósito de melhorar o aspecto dos fios etc. Mas, ao se especializar em Tricologia, ele passa a se apropriar de conhecimentos bem mais aprofundados para tratar todas essas questões.

Área em evidência no Brasil

Conforme já foi assinalado, para atuar na Tricologia é preciso ter um conhecimento aprofundado sobre pelos e cabelos. Para ter uma ideia das minúcias abordadas ao longo de um Curso Superior de Formação em Tricologia, o programa publicado no site da Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), fundada em 1997, dispõe de 18 disciplinas, todas em caráter obrigatório.

Juntas, elas somam uma carga horária de 396 horas-aula, sendo que, para concluir esse curso devidamente qualificado e pronto a atuar num mercado de alto padrão e rigor, é necessário que, no mínimo, o aluno apresente 75% de frequência em cada uma das matérias e, ainda, 70% de aproveitamento das aulas, ministradas por renomados especialistas, mestres e doutores no assunto.

Assim como o Curso de Formação Superior, no site da Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC) encontramos outros programas, cada qual com as suas peculiaridades:

A propósito dos cursos de Tricologia Médica e de Pós-Graduação nessa área, torna-se ainda mais evidente o quanto tal especialização deve ser procurada e assimilada como um importante diferencial pelo público interessado. Isto porque, segundo a própria SBC, “com todo o respeito que os cabeleireiros merecem”, “o Curso de Tricologia surgiu da necessidade que o mercado mostrou de profissionais MÉDICOS bem formados na área de cabelos” – é o próprio site que utiliza as letras maiúsculas para registrar a palavra “MÉDICOS”.

Como se pode perceber, a Tricologia é uma área de estudo que vem ganhando cada vez mais evidência no Brasil, despertando também uma grande procura por parte de outros profissionais. Por exemplo, já existe um Curso de Pós-Graduação em Tricologia Cosmética, que é direcionado para diversos profissionais da área da saúde envolvidos no tratamento capilar:

  • esteticistas;
  • farmacêuticos;
  • biomédicos;
  • engenheiros químicos;
  • químicos industriais.

Vale lembrar que esses profissionais estão envolvidos no processo de prevenção, combate e tratamento, mas eles não substituem a consulta com o tricologista.

Atividades desenvolvidas por um tricologista

Quando recebe um paciente, o tricologista faz um levantamento e uma avaliação sobre o cabelo e o couro cabeludo. Para isso, ele elabora várias perguntas e pode pedir os seguintes exames:

  • hemograma;
  • exame dermatoscópico do cabelo (tricoscopia);
  • tricograma ou fototricograma;
  • exame anatomopatológico;
  • tricotest;
  • biópsia.

A partir dos resultados, ele identificará possíveis problemas e indicará os tratamentos adequados. Normalmente, ele indica um cronograma capilar, com procedimentos tópicos e medicação. Mas também pode solicitar técnicas como o laser e até cirurgia, em casos específicos.

O paciente, por sua vez, também precisa agir e adotar uma alimentação saudável e balanceada, além de iniciar uma mudança de hábitos. Outra recomendação comum são atividades que aliviam o estresse, pois um estilo de vida saudável é fundamental para a melhora da qualidade e da saúde do cabelo.

Os tratamentos cumprem ciclos, com intervalos-padrão entre as sessões. Dependendo do caso e da resposta ao tratamento, as consultas ao tricologista têm uma frequência menor. Isso, porém, não quer dizer que os cuidados devam ser deixados de lado: para evitar novas alterações ou agravamento do problema, é preciso seguir uma nova rotina, de acordo com as recomendações médicas.

O tricologista é, então, um profissional capaz de investigar, prevenir e tratar problemas capilares e do couro cabeludo. Portanto, se você deseja manter a saúde dos seus fios, agende uma consulta com um tricologista e, se você ainda tiver dúvidas ou desejar mais informações sobre esse tema, entre em contato conosco. Teremos prazer em atendê-lo(a)!

¹Disponível em http://www.sociedadedocabelo.com.br/cursos-sbc/curso-de-pos-graduacao-em-tricologia-medica/. Acesso em 13 ago. 2012.

Responder

Seu email não será divulgado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.