Conheça os possíveis tratamentos para psoríase!

Conheça os possíveis tratamentos para psoríase!

A psoríase é uma doença de pele comum, que atinge de 1% a 3% da população, sendo caracterizada por lesões avermelhadas e descamativas. Ela pode ser fácil de tratar, porém, existem casos mais avançados que podem levar à incapacidade física, comprometendo os movimentos das articulações.

Apesar de não ser contagiosa, devido ao desconhecimento geral, os pacientes geralmente sofrem com o afastamento social. Felizmente, com os avanços da medicina e a ascensão da informação, os tratamentos para psoríase estão avançando.

A seguir, vamos falar mais sobre o tema. Continue a leitura!

Quais são os sintomas mais comuns em cada tipo da doença?

Os sintomas variam de acordo com o tipo de psoríase com o qual o paciente foi acometido. Mas, no geral, as lesões descamam em placas, sendo mais comuns no couro cabeludo, mãos, pés, unhas, cotovelos, joelhos e região genital. Além disso, a doença pode surgir em diferentes níveis, como em pequenas lesões ou em quantidade suficiente para comprometer toda a pele.

Conheça alguns tipos abaixo:

Psoríase Vulgar

É a forma mais comum, com o surgimento de placas em tamanhos variados, de tom avermelhado e escamas secas, esbranquiçadas ou prateadas. Normalmente aparecem no couro cabeludo, joelho e cotovelos, e o paciente sente coceira e dor nas regiões afetadas.

Em alguns casos, as placas podem atingir todas as partes do corpo, incluindo a região interna da boca ou os genitais. Os mais graves acontecem quando as placas atingem as articulações, ocasionando rachaduras e até sangramentos.

Psoríase Invertida

Esse tipo da doença é caracterizado por manchas inflamadas e vermelhas, distribuídas nas partes úmidas do corpo, como axilas, embaixo dos seios, nas virilhas e ao redor dos órgãos genitais. As áreas afetadas podem ser agravadas se o paciente for obeso ou tiver sudorese excessiva e atrito na região.

Psoríase Gutata

A psoríase gutata é causada por infecções bacterianas — como as de garganta — e atinge principalmente crianças e jovens com menos de 30 anos. As feridas são pequenas, no formato de gota, e cobertas por uma fina “escama”. São mais comuns nas pernas, braços, tronco e couro cabeludo.

Psoríase Ungueal

A psoríase  ungueal leva esse nome porque atinge os dedos e unhas das mãos e dos pés. A doença faz com que a unha cresça de forma anormal, com espessura grossa, perda da cor, manchas amareladas, escamações, depressões puntiformes e até sangramentos. Nos casos mais graves, a unha pode descolar da carne ou esfarelar.

Psoríase Pustulosa

Esse é um tipo mais raro, em que as manchas aparecem em pequenas áreas, como pés e mãos, ou em todas as partes do corpo. Elas se espalham rapidamente e formam bolhas cheias de pus nas regiões avermelhadas.

Essas bolhas normalmente secam em um ou dois dias, mas há casos em que elas permanecem por um período mais prolongado, durante vários dias ou semanas. Os sintomas são acompanhados de coceira intensa, fadiga, febre e calafrios.

Psoríase Eritrodérmica

Esse tipo é caracterizado por lesões generalizadas, atingindo 75% do corpo ou mais. As manchas vermelhas podem vir acompanhadas de outros problemas, como coceira, ardência e manifestações sistêmicas.

A psoríase eritrodérmica é menos comum, mas pode ser o resultado de outro tipo de psoríase que não foi controlada devidamente. As causas também podem incluir infecções, queimaduras graves e tratamentos intempestivos.

Psoríase Artropática ou Artrite Psoriásica

É caracterizada pela inflamação na pele e descamação, além de fortes dores nas articulações, o que pode causar rigidez progressiva. Geralmente está relacionada a uma forma clínica de psoríase.

Psoríase Palmo-plantar

Esse é o nome utilizado para classificar os pacientes com psoríase em que as suas lesões aparecem como fissuras nas palmas das mãos ou nas solas dos pés.

O que pode causar esse problema?

A causa exata da psoríase não é conhecida, mas, em cerca de 30% dos casos, ela ocorre por incidência genética.

Além disso, há uma teoria sobre a célula T, que percorre o corpo humano buscando elementos estranhos para combatê-los, como os vírus e bactérias. A teoria defende que as células T atacam as células saudáveis da pele das pessoas que têm psoríase, como se fossem cicatrizar uma ferida ou tratar uma infecção.

As consequências dessa ação seriam a dilatação dos vasos sanguíneos e o aumento no número de glóbulos brancos, o que causaria as lesões avermelhadas no exterior da derme. Contudo, existem outros fatores que podem estar associados ao surgimento e evolução da doença, como:

  • fatores psicológicos e estresse;
  • variações climáticas;
  • consumo excessivo de álcool e cigarro;
  • alterações bioquímicas;
  • uso de alguns medicamentos, como os que são prescritos para o tratamento da malária, transtorno bipolar e pressão alta.

Quais são os tratamentos para psoríase?

A psoríase não tem cura, mas tem tratamento para controlar a sua reincidência, reduzir a inflamação e a formação das placas, além de regular e normalizar a aparência natural da pele. Ele pode ser feito de três formas:

  • tópico, com o uso de cremes e pomadas;
  • sistêmico;
  • por fototerapia.

Somente o dermatologista é capaz de indicar qual o melhor tratamento, com base no tipo de psoríase desenvolvida e no histórico do paciente.

Quais são os maus hábitos que influenciam no agravamento da doença?

É muito importante que o paciente adote um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada, evitando a ingestão de alimentos processados. A exposição ao sol também deve ser controlada e, por prevenção, o paciente deve usar um creme hidratante ou terapêutico antes de se expor. Além disso, deve consultar um dermatologista com regularidade para controlar as crises.

De todas as recomendações, a principal forma de tratamento para a psoríase é evitar o desgaste emocional. Sendo assim, não fuja de encontros sociais por vergonha das lesões! A doença não é contagiosa e o isolamento pode comprometer o seu estado emocional e agravar o problema. Para evitar o estresse, inclua atividades físicas e de relaxamento (como a meditação) na sua rotina.

Mesmo que a psoríase afete a sua estética, como quando a doença atinge o couro cabeludo, causando a queda de cabelos, o problema pode ser controlado com cuidados adequados. Neste post, mostramos como é possível resolvê-lo. Não deixe de conferir!

Responder

Seu email não será divulgado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.