Biotina x Calvície: uma solução para a queda de cabelo?

Em 2013, uma matéria publicada no caderno Ciência e Saúde do portal UOL registrava que, de acordo com a Sociedade Brasileira para Estudo do Cabelo (SBEC), a calvície já vinha afetando nada menos do que 42 milhões de cidadãos. E, de lá para cá, tendo-se em vista as estimativas de queda de cabelo em homens e mulheres, não é de se admirar que, principalmente na internet, circulem cada vez mais divulgações a respeito de inúmeros produtos e/ou técnicas destinados a combater o problema. Aliás, este é o caso da biotina, uma das alternativas que, mais recentemente, vêm despertando bastante interesse entre os internautas.

Embora as pesquisas e os resultados nos mecanismos de busca tenham ganhado maior evidência no último ano, a biotina é uma vitamina sobre a qual já falamos em um artigo publicado aqui no blogue em 2014, intitulado “O papel da alimentação no combate à calvície”. Conforme registramos nessa ocasião, trata-se, na verdade, da vitamina H (ou, ainda, vitamina B7 ou vitamina B8), que merece especial destaque por ser particularmente benéfica para a saúde dos cabelos. Além disso, a biotina também atua de forma determinante na produção de queratina no nosso organismo, que é o principal componente do fio.

Encontrada, por exemplo, no levedo de cerveja, na soja, em grãos integrais e leguminosas, no leite, na carne vermelha e em frutas, a biotina é um nutriente essencial para o crescimento das células (e, consequentemente, para o próprio crescimento e desenvolvimento do folículo piloso), de modo que a sua carência altera o ciclo capilar, podendo prolongar o tempo da queda.

Pertencente à família do Complexo B, trata-se ainda de uma vitamina classificada como “hidrossolúvel”, já que a sua absorção no organismo ocorre na presença de água.

 

“Mas, para a saúde dos fios, qual a quantidade de biotina que deve ser ingerida diariamente?”

Para a saúde em geral, a ingestão recomendada de biotina é de cerca de 30 mcg/dia para adultos e de 20 a 25 mcg/dia para jovens. Contudo, mais do que a ingestão de alimentos que contenham biotina, o que os especialistas recomendam é a adoção de uma alimentação saudável e balanceada, de modo que outras vitaminas do complexo B possam ser consumidas.

Já no que diz respeito à suplementação de biotina, vale lembrar que a prescrição cabe ao especialista (um nutricionista, nutrólogo ou dermatologista), conforme a necessidade seja identificada. Nesse caso, a prescrição costuma ser de 5 a 10 mg de biotina por dia. Com isso, espera-se que ocorra um fortalecimento dos fios e que eles também cresçam mais rapidamente.

 

“E se houver deficiência ou excesso de biotina no organismo?”

A carência de biotina no organismo não é algo tão comum, considerando-se que há muitos alimentos nos quais ela pode ser encontrada. De todo modo, a deficiência desse tipo de vitamina pode provocar alguns sintomas, como fraqueza nas unhas e nos cabelos, calvície, pele seca e vermelhidão na região do nariz e da boca. Entre outras complicações também associadas à insuficiência de biotina estão a conjuntivite, dermatite esfoliativa, náuseas, vômitos, quadros de anorexia e de depressão.

Já o excesso de biotina só ocorre por meio da suplementação. Todavia, não existem registros de que, em altos níveis, esse nutriente represente um risco à saúde. Além disso, por ser uma vitamina hidrossolúvel, o seu excesso é eliminado por meio da urina.

 

“A biotina realmente ajuda no combate à calvície?”

biotina calvicieSem dúvida, a biotina é um nutriente da maior importância para a saúde capilar. Não por acaso, essa vitamina está presente na composição de suplementos que já se popularizaram no combate à calvície, como o Eximia Fortalize, o Imecap Hair e o Pill Food. Entretanto, é preciso atenção no que se refere às expectativas acerca dos seus efeitos. Afinal, ao contribuir para o fortalecimento dos fios, a biotina atua no combate à calvície, mas os seus benefícios não abrangem, por exemplo, a queda de cabelo desencadeada por fatores não associados à deficiência de vitaminas, como a alopecia androgênica.  

Por isso mesmo, ao primeiro sinal de queda dos fios, o melhor a fazer é agendar uma consulta com o dermatologista. Somente por meio da minuciosa avaliação de cada quadro será possível indicar o tratamento mais efetivo para cada paciente, atendendo às suas necessidades e conquistando resultados que sejam realmente significativos!

 

bannernewsletter2